28 de setembro de 2016

IPEA analisa impactos do novo regime fiscal na assistência social e na saúde

Autor: Equipe de Redação


Duas notas técnicas do Ipea – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada analisam as consequências do novo regime fiscal proposto pela Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016 para a Política de Assistência Social no Brasil e para o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS). As análises apontam que, caso a PEC seja aprovada, o novo regime acarretará perdas expressivas para o campo assistencial e impacto negativo na garantia do direito à saúde no Brasil. A 241 segue em tramitação na Câmara dos Deputados.

Segundo a nota técnica, o congelamento das despesas parte do pressuposto equivocado de que os recursos públicos para a saúde já estão em níveis adequados e que falta apenas eficiência na gestão dos recursos. “É possível melhorar o desempenho da administração pública no Brasil e, por conseguinte, do SUS, mas é necessário haver decisão política para implementar medidas que promovam o uso eficiente dos recursos em toda a federação. Não parece crível que os recursos do SUS possam ser reduzidos na atual situação e que se possa ao mesmo tempo melhorar sua eficiência. É preciso investir em pessoas e tecnologias, além de melhorar a infraestrutura do sistema, algo difícil de fazer no curto prazo. Para tanto, é necessário alocar recursos”.

Sobre a assistência social, a análise aponta que o ajuste promovido pela PEC 241 pode comprometer os avanços realizados no combate à pobreza, à desigualdade e na promoção da cidadania inclusiva. “As ações assistenciais, notadamente o Benefício de Prestação Continuada, o Programa Bolsa Família e o Sistema Único de Assistência Social colocaram o Brasil em patamar civilizatório mais elevado, ao afiançar direitos e proteção ao público em situação de vulnerabilidade, seja pela situação de pobreza, seja devido à violação de direitos. Logo, o Novo Regime Fiscal poderá impor uma descontinuidade da oferta socioprotetiva, o que constrangerá as proteções já afiançadas pela política assistencial”.
 
A PEC 241 propõe que o gasto público no âmbito da União seja limitado à inflação do ano anterior. A medida, que deve valer por 20 anos, implica um congelamento, em termos reais, de despesas, inclusive com áreas como saúde e educação. A PEC também altera o modo como o orçamento é elaborado e debatido; só é permitida revisão do teto após dez anos por iniciativa do presidente da república.

Acesse os documentos:

O Novo Regime Fiscal e suas implicações para a política de Assistência Social no Brasil
Organizadoras: Andrea Barreto de Paiva, Ana Cleusa Serra Mesquita, Luciana Jaccoud e Luana Passos

Os impactos do Novo Regime Fiscal para o financiamento do Sistema Único de Saúde e para a efetivação do direito à saúde no Brasil

Organizadores: Fabiola Sulpino Vieira e Rodrigo Pucci de Sá e Benevides
 



2085 views
comentários
compartilhar

Não existem comentários!

Postar um comentário


Antes de postar, por favor, leia nossos termos de uso.




Li e concordo com os termos de uso.

Termos de uso para publicação de comentários nos sites do OAPS e CDV


Estes são os termos de uso que orientam nossa relação no site Análise Política em Saúde, especialmente no espaço destinado a comentários. A leitura destas diretrizes é fundamental para compreensão da proposta deste espaço de discussão.


O espaço para comentários está destinado exclusivamente ao compartilhamento de informações, experiências e dúvidas, além de análises e reflexões críticas sobre temas relacionados ao objeto do Projeto Análise de Políticas de Saúde no Brasil (2013-2017), conforme disposto em documento disponível para consulta e download aqui http://www.analisepoliticaemsaude.org/oaps/quem-somos/apresentacao.

Todos os comentários passam por um processo de moderação antes da publicação com o objetivo de verificar a adequação aos seguintes termos de uso:

Não serão permitidos comentários que divulguem ou incentivem a) ações ou ideias discriminatórias em razão de raça, gênero, orientação sexual, religião, crença, deficiência, etnia, nacionalidade ou condição social; b) desrespeito à Legislação Brasileira; c) assédio, perseguição, ameaças, intimidações ou chantagem a terceiros; d) spams, conteúdos promocionais e mensagens com fins comerciais ou publicitários; e) materiais com vírus, dados corrompidos, ou qualquer outro elemento nocivo ou danoso; f) violação de propriedade intelectual ou industrial de terceiros. São expressamente proibidos comentários com palavrões ou qualquer tipo de linguagem ofensiva e/ou obscena.

Instituto de Saúde Coletiva • Universidade Federal da Bahia • Rua Basílio da Gama, s/n • Campus Universitário do Canela • 40.110-040 • Salvador-Bahia • +55 71 3283-7441 / 3283-7442
© 2019 Observatório de Análise Política em Saúde. Todos os direitos reservados.